Com eleição em meio à pandemia, Justiça Eleitoral começa adaptações para evitar aglomeração

Com o início do calendário eleitoral, surge preocupação e necessidade de medidas para votação em meio à pandemia de coronavírus  – que já impôs o adiamento das eleições 2020, passando de outubro para 15 de novembro, e a suspensão da biometria, por exemplo.

  – Midia Max

Segundo o presidente do (Tribunal Regional Eleitoral de ), desembargador João Maria Lós, a intenção é que não haja aglomeração de eleitores no dia de votação. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou que os portões de locais abrirão às 7 horas, não às 8 horas, como costuma ser, e fecharão às 17 horas.

“E nós vamos fazer uma campanha a nível nacional, recomendando as pessoas que privilegiem os mais idosos nesse horário das 7 horas até às 10 horas, exatamente porque são mais frágeis e mais passíveis do contágio. E o restante do dia ficaria para os mais jovens. Essa é a pretensão da ”, afirmou o presidente.

No lugar da biometria, suspensa neste ano por medida sanitária, os eleitores serão identificados pela apresentação do e-Título (título eleitoral eletrônico), com a carteira de identidade, passaporte, carteira profissional reconhecida por lei, certificado de reservista, carteira de trabalho ou a habilitação.

Ainda de acordo com o presidente, a de está, atualmente, fazendo atividades administrativas preparatórias para o dia do pleito, como agregação de seções, convocação de mesários, formação das juntas eleitorais, definição de pontos de transmissão dos resultados, entre outras.

Ainda, definindo os protocolos sanitários que serão adotados no dia 15 de novembro. Uma consultoria sanitária, aberta pelo TSE, elabora uma cartilha com recomendações para o dia da eleição, apontando os cuidados que os eleitores, mesários, fiscais de partido, devem ter, além da higienização do espaço físico das seções.

Edital aberto pelo TSE prevê doação, para a , de equipamentos de proteção individual, máscaras cirúrgicas descartáveis, frascos de álcool etílico em gel 70%, protetores faciais, rolos de papel toalha e de fitas adesiva para marcação do distanciamento social. A ideia é distribuir os produtos para os envolvidos na organização da eleição.