Igreja do DF faz esquema de ‘drive-thru’ para fiéis se confessarem

Igreja do Distrito Federal faz esquema de ‘drive-thru’ – atendimento no estacionamento – para fiéis se confessarem. A medida ocorre após o governador Ibaneis Rocha (MDB) proibir eventos abertos como cultos e missasdevido ao novo coronavírus. No entanto, a prática não é aprovada pelo DF Legal.

G1 DF

No sábado (21), a reportagem esteve na quadra 702 norte e acompanhou um padre recebendo fiéis do lado de fora da igreja. As pessoas ficam dentro do carro mantendo distância, enquanto o sacerdote escuta as confissões.

De acordo com o DF Legal, as igrejas não podem fazer esse tipo de ato, pois o decreto orienta que não haja atendimento ao público. Apesar disso, os portões não precisam ficar fechados. Os fiéis podem, por exemplo, rezar sozinhos ou afastados, desde que não haja aglomeração.

O DF Legal explica ainda, que o serviço de “drive-thru” só pode funcionar em um espaço específico para isso.

O Secretário do DF Legal, Gutemberg Tosatti, afirmou que o governo está orientando a população. A fiscalização ocorre principalmente nos comércios.

“Nós vamos primeiro orientar, se o comerciante, se o empresário insistir em ficar com comércio da empresa aberta, aí sim nós vamos levar o auto de interdição”

Comércios interditados

Agentes do DF Legal fazem fiscalização nos comércios do DF  — Foto: Paulo H. Carvalho / Agência BrasíliaAgentes do DF Legal fazem fiscalização nos comércios do DF  — Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Agentes do DF Legal fazem fiscalização nos comércios do DF — Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Na sexta-feira (20), o DF legal interditou mais de mil comércios na capital por permanecerem abertos ao público, após decreto proibir o funcionamento. A medida imposta aos estabelecimentos por prevenção contra o novo coronavírus (Covid-19) começou a valer na noite de quinta-feira (19) e segue até 5 de abril.

A proibição inclui restaurantes, bares, lojas e salões de beleza. Há exceções para serviços delivery e estabelecimentos como padarias, farmácias e mercados (saiba mais abaixo).

De acordo com o DF Legal, comércios abertos devem ser interditados, além de autuados com multa em caso de reincidência. O valor é de R$ 3.500 a R$ 12 mil por dia, a depender do tamanho do comércio.

A fiscalização está sendo realizada pelo DF Legal e também pela Polícia Militar. Ainda na noite de sexta, policiais fecharam bares Paranoá – cidade que contabiliza cerca de 450 comércios interditados, segundo o governo.

O que diz o decreto que fecha comércios do DF?

Com o objetivo de combater a proliferação do novo coronavírus na capital, poderão funcionar apenas:

  • Clínicas médicas
  • Laboratórios
  • Farmácias
  • Postos de gasolina
  • Mercados
  • Lojas de materiais de construção
  • Padarias
  • Atacadistas
  • Peixarias
  • Operações de delivery

Atendimento em bancos para clientes com doenças graves ou para serviços referentes a “programas bancários destinados a aliviar as consequências econômicas do novo Coronavírus”