Bem de perto: anta e ‘lobinho’ surpreendem visitantes no Parque das Nações

Uma anta de porte grande chegou bem perto de dois amigos na sexta-feira (21) por volta de 20h no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, e rendeu muitas fotos pela visita surpresa. Um lobo, provavelmente da espécie guará, também surgiu para os amigos, mas logo se escondeu fugindo da anta.

Renata Volpe – Midia Max

A arte finalista Celeste Mantovan, de 23 anos, fez as fotos e disse ter ficado com medo da presença do animal, devido ao tamanho, mas ao mesmo tempo, ficou encantada. “Vou ao Parque mais durante o dia, mas quando vou à noite, é com a intenção de encontrar algum bichinho”.

Ela e o amigo escolheram o banco para sentar perto de um parquinho de terra, dentro do Parque, na entrada pela avenida Antônio Maria Coelho. “Eu quis ir ali porque da última vez, vi um tatu. Ontem escolhi o mesmo lugar, com a intenção de encontrar outro bicho”.

Depois de um tempo, o animal apareceu em tamanho grande. “Foi uma surpresa. Ela veio se aproximando, eu fiquei com medo pelo tamanho, mas não me mexi e fiquei em silêncio. A anta começou a cheirar a mochila do meu amigo, porque tinha um saco de amendoim aberto e os capacetes que estavam no chão”.

Segundo Celeste, como tinha bastante gente caminhando, as pessoas começaram a se aproximar e tirar fotos. “Um lobinho apareceu atrás da anta também, mas quando ela viu, correu atrás dele e não consegui tirar foto. A anta voltou pro mesmo lugar para comer manga, eu fiz várias fotos, mas me desequilibrei e caí de costas do banco, ai ela foi embora”.

Celeste disse ter sentido medo pelo tamanho do animal, mas ficou encantada com a ousadia. “Eu estava sentada no banco, ela foi se aproximando e me cercando. É linda, estava bem limpinha, mas tive mais medo do que ela”.

A primeira foto da anta foi às 20h26, a última foi às 22h19, segundo registro de Celeste. Foram quase duas horas que o animal ficou perto dos amigos. “Ela ficou comendo manga. Depois, a anta foi brincar com um cipó numa árvore, batendo a cara para balançar o cipó. Foi engraçado”.