A Fundação de Serviços de Saúde de Dourados anunciou aos servidores da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e Hospital da Vida, que o salário deste mês será pago de forma parcelada. Ontem (7), 60% foi creditado. Já os outros 40% devem ser liberados nos próximos dias, sem definição de um prazo real. A situação gerou indignação dos servidores dessas unidades.

Da redação/Dourados News – Top Midia News 

Ao Dourados News, um profissional lotado na UPA informou que os servidores devem realizar paralisação dos atendimentos caso não seja revertida a medida. “Tem funcionários que ganham de um salário mínimo a R$ 2.500. É uma vergonha pagar 60% e sem prazo para pagar o restante”, disse o servidor à reportagem. Hoje, às 12h, os trabalhadores farão manifesto em frente à UPA com cartazes exigindo a revogação da medida.

Além disso, eles também querem a exoneração da nova diretora presidente da Funsaud, Maria Izabel Aguiar. Apesar da aparente crise enfrentada pela Fundação, afundada em dívidas milionárias, Maria Izabel em seu primeiro mês de trabalho, terá remuneração paga em R$ 20 mil bruto, com dedução de R$ 3.033,82, garantindo ganho líquido de R$ 16.966,18.

Em junho deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde passou a gerenciar os trabalhos da Funsaud em intervenção. Daniel Fernandes Rosa, na época diretor presidente da instituição, foi substituído por Maria Izabel. O último salário do ex-mandatário (em maio) teve rendimento bruto de R$ 12.500,00, assim R$7.500,00 a menos do que a atual diretora.

As informações constam no Portal da Transparência do Município. O Dourados News buscou contato com a secretária municipal de Saúde Berenice Machado, para comentar o fato do escalonamento dos salários e a iminente paralisação dos servidores.

No entanto, a chefe da pasta estava em reunião e não pôde atender a reportagem. Houve contato também com Maria Izabel para saber se o parcelamento dos salário também atingirá a diretoria da Funsaud, porém até o fechamento desta matéria não obtivemos retorno.

Facebook Comments