A ponte que liga a cidade sul-mato-grossense de Porto Murtinho ao distrito paraguaio de Carmelo Peralta deverá ter as obras iniciadas em um prazo de 12 meses. A estrutura será levantada sobre o Rio Paraguai e faz parte da composição da Rota Bioceânica e a pretensão é que seja entregue em 2023. A informação foi repassada hoje pelo secretário de Produção Jaime Verruck que está no município junto com o conselheiro de Itaipu Carlos Marun e representantes da diretoria da Itaipu Paraguai.

Rosana Siqueira – Correio do Estado

“Estamos em Porto Murtinho hoje, junto com diretores de Itaipu para visitar o local de instalação da ponte. Esta ponte é que faz ligação da Rota Bioceânica ligando os oceanos Atlântico ao Pacífico. O que nós discutimos aqui hoje, acho que esse é o grande passo, definimos um cronograma de 12 meses para execução de todos os projetos. Existe previsão inicial de tentar inaugurar a obra em agosto de 2023”, destacou o secretário.

Este foi o primeiro encontro de trabalho para discutir o projeto entre as autoridades dos dois países. O investimento estimado é de US$ 75 bilhões, custeado pela Itaipu.

A visita técnica teve o objetivo de definir o local em que a ponte será construída, segundo o diretor da Itaipu Binacional, Carlos Marun. “A partir daí é possível a convocação de uma reunião extraordinária do Conselho de Administração para aprovar os recursos destinados ao custeio da fase preparatória, que seriam os estudos, o licenciamento”, disse Marun.

O projeto

O local escolhido para construir a ponte fica a pouco mais dez quilômetros à direita da cidade de Porto Murtinho, subindo o rio. No lado paraguaio fica a cidade de Carmelo Peralta. Para tanto será preciso implantar um trecho de 11 quilômetros de asfalto costeando o rio, a partir da BR-267. No lado paraguaio serão mais quatro quilômetros até a área urbana de Carmelo Peralta.

A obra terá como parâmetro a ponte estaiada construída sobre o rio Paranaíba e que liga a cidade de Paranaíba (MS) a Porto Alencastro (MG). Esse modelo não atrapalha a navegabilidade do rio, pois os pilares serão erguidos nas margens e a uma altura que permite às embarcações passagem por baixo. A extensão total da ponte terá 680 metros, de uma barranca a outra do rio, 12 metros de largura com mais uma passarela lateral para pedestre de um metro de largura. O vão entre os dois pilares terá 380 metros, mais 150 metros de cada pilar até a margem. A altura dos pilares que sustentarão os cabos (estai) será de 95 metros.