Empresário vai falar à polícia sobre morte de veterinária, garante defesa

O empresário Rafael Valler, de 30 anos, que acompanhava a médica veterinária, de 29 anos, morta sob a suspeita de overdose na BR-262, na noite desta quinta-feira (17), vai procurar a polícia para prestar esclarecimentos sobre o caso, “entre hoje e amanhã”. A informação foi divulgada pelo departamento jurídico do jornal que pertence à família, em retorno à ligação do Campo Grande News.

Na tarde de hoje, o delegado Ricardo Meirelles Bernardinelli da 3ª delegacia de Polícia Civil declarou que Rafael é “a principal testemunha do caso”. Até o momento, Bernardinelli disse já ter conversado com quatro funcionários do estabelecimento e agendado outras entrevistas com testemunhas do episódio. Familiares da vítima também serão chamadas para esclarecimentos.

Imagens de câmeras de segurança estão sendo analisadas pelos investigadores. O conteúdo não foi exibido ou informado pela polícia, segundo o delegado, para preservar os familiares da médica veterinária e o próprio Rafael. Bernardinelli se limitou a dizer que o casal permaneceu no motel por mais de 3 horas.

Segundo o delegado, dentre as coisas em investigação no momento estão: o tipo de relacionamento dos dois, possíveis doenças da vítima, possibilidade de uso de medicamento controlado por parte dela e se ela usuária frequente ou eventual de entorpecentes.

A autoridade policial disse, ainda, que aguarda o resultado do exame necroscópico para confirmar se a mulher ingeriu cocaína antes de morrer porque porção da droga foi encontrada no quarto do motel usado.

Conforme Bernardinelli,  as investigações ainda estão no início e, no momento, só é possível afirmar que antes do óbito a vítima estava muito exaltada. A informação de que a veterinária teria se jogado entre o pneu e o eixo de um caminhão que estava parado no acostamento não foi confirmada pelo delegado, embora esteja relatada no boletim de ocorrência.