Brasil verá maior eclipse lunar do século e ‘lua de sangue’ na sexta-feira

353

O eclipse total da Lua, na sexta-feira, 27 de julho, será o mais longo do século 21, com duração de 102 minutos, ou seja, 1 hora e 42 minutos. No Brasil, dependendo da localidade, será visível por cerca de uma hora, mas somente a metade final do eclipse.

 – Midia Max

O início do eclipse total será às 15h30 (horário de MS), mas nesse horário a Lua ainda não é visível no Brasil. Para os campo-grandenses, a lua vai nascer no horizonte às 17h18 (horário de MS) e será possível ver o fenômeno apenas parcialmente até 18h19 (horário de MS).

Após esse horário ainda será possível acompanhar a fase penumbral, que é bem menos visível a olho nu.

A capital que terá maior visibilidade do eclipse será Recife e, quanto mais ao litoral, melhor será a visibilidade. De acordo com os astrônomos, não será possível acompanhar a totalidade do eclipse no Brasil, pois quando a lua aparecer no horizonte leste brasileiro no final da tarde, ela já estará eclipsada.

De acordo com o Observatório Nacional, quando ocorre um eclipse total da Lua, significa que a Lua inteira vai penetrar e “caminhar” na sombra mais escura da Terra (umbra). Então, antes e depois do eclipse total, ocorre um eclipse parcial e um eclipse penumbral.

Conforme com a Nasa, a África e Europa vão poder ver o eclipse em sua plenitude. Nestas localidades, serão quase 4 horas de período de umbra – por isso, é o mais longo do século. Neste ano já tivemos eclipse total lunar com a lua cheia do dia 31 de janeiro. O próximo eclipse total da Lua será na noite de 20 para 21 de janeiro de 2019 e o Brasil inteiro verá o eclipse total da Lua do início ao fim.

Eclipse

Um eclipse ocorre sempre que um corpo entra na sombra de outro. Todo corpo extenso, ou seja, que não é um ponto, produz duas regiões de sombra: umbra e penumbra. A umbra é a região da sombra que não recebe luz de nenhum ponto da fonte luminosa e a penumbra é a região da sombra que recebe alguma luz da fonte luminosa.O eclipse da lua é

O eclipse será total se a Lua estiver totalmente mergulhada na umbra, será parcial se a Lua estiver parcialmente na umbra e será penumbral quando a Lua passar somente pela penumbra.

Lua de Sangue

Além do eclipse, a noite será de Lua de Sangue – quando a Lua adquire um tom avermelhado – mas o espetáculo também será pouco visto pelo Brasil. Na fase de totalidade, quando toda a Lua está mergulhada na umbra, nós vemos a Lua sem receber luz direta do Sol, mas alguma luz do Sol atinge a superfície da Lua através da atmosfera da Terra e algumas faixas de frequência da luz solar são filtradas, exatamente como acontece nos crepúsculos matutino e vespertino que estamos acostumados a ver antes do nascer do Sol e após o pôr do Sol.

Planetas brilhando no céu

Além do eclipse, quem olhar para o céu poderá ver Marte que está em máxima brilhância e o planeta estará próximo da Lua no dia do eclipse. Vênus está visível a oeste após o pôr do Sol, Júpiter já está alto no céu quando o Sol se põe, Saturno está visível também no início da noite a leste. Marte que está em máxima brilhância e estará visível a leste logo no início da noite, um pouco mais alto que a Lua.

Fases do eclipse (horário de Brasília)

Facebook Comentarios